Milhões da Europa ajudam a tirar esgotos do rio

“A qualidade da água já está melhor, o problema dos maus cheiros também. Todos os moradores e visitantes vão sentir a diferença”, frisou o presidente da Águas do Algarve, Joaquim Peres

O problema agudo da poluição e maus cheiros no rio Arade já está a ser combatido. A nova ETAR da Companheira, à entrada da cidade de Portimão, abriu as portas na terça-feira para mostrar os primeiros resultados à população. Esta estação de tratamento de águas residuais é um dos maiores investimentos em sistemas de saneamento em Portugal, orçado em 13,8 milhões de euros, dos quais 9,4 milhões são de fundos europeus

 

“As coisas que deitam para a sanita não vão para o espaço. Vão para algum lado”, explica Bruno Candeias, técnico da Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) da Companheira, em Portimão, enquanto mostra aos visitantes um contentor cheio de resíduos retirados durante o pré-tratamento da água.

Nesta ETAR, inaugurada há cerca de um mês, é separado em primeiro lugar o lixo que vem na água usada, sendo habitual encontrar neste processo “pensos, cotonetes e até medicamentos”, que de outra forma iriam parar ao rio, ao mar e também aos solos, com consequências negativas para a saúde, revelou o presidente da Águas do Algarve, Joaquim Peres, na passada terça-feira (15), durante uma iniciativa de portas abertas, para tornar mais próximo e direto o contacto da população algarvia com os resultados dos fundos europeus.

A nova ETAR de Portimão – que serve ainda os concelhos de Lagoa e Monchique, num total de 140 mil habitantes –, é um dos maiores investimentos em sistemas de saneamento em Portugal. Representa um investimento de cerca de 13,8 milhões de euros, dos quais 9,4 milhões de euros são do Fundo de Coesão (no âmbito do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos – PO SEUR)…

(NOTÍCIA COMPLETA NA ÚLTIMA EDIÇÃO DO JORNAL DO ALGARVE – NAS BANCAS A PARTIR DE 17 DE MAIO)

Nuno Couto|Jornal do Algarve

Advertisements
Tamanho da Fonte
Contraste