ALGARVE ÚLTIMAS

Passadiço: Luís Gomes indignado com ausência do Governo

Luís Gomes (esq.) com familiares de Almeida Santos (que deu nome à estrutura) no dia da inauguração do passadiço
Luís Gomes (esq.) com os filhos de Almeida Santos (que deu nome à estrutura) no dia da inauguração do passadiço

.
“É um escândalo inaceitável”, afirmou o autarca em declarações ao Jornal do Algarve, recordando as “excelentes relações” que manteve com o ministro do Ambiente, Nunes Correia, durante o anterior governo socialista

DOMINGOS VIEGAS

O novo passadiço pedonal de Monte Gordo, em madeira e com cerca de três quilómetros, inaugurado recentemente, foi uma imposição do Plano de Ordenamento da Orla Costeira (POOC) Vilamoura-VRSA e uma intervenção da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), embora levada a cabo pela Câmara de Vila Real de Santo António.

E a estrutura até foi baptizada com o nome de um histórico do PS, Almeida Santos, falecido recentemente e cujos filhos marcaram presença na homenagem.

Mas desta vez não esteve presente ninguém do Governo na inauguração, ao contrário do que tinha acontecido aquando das demolições dos apoios de praia na Manta Rota e da inauguração da requalificação daquela zona balnear. Na altura, também governava o PS e o ministro do Ambiente era Nunes Correia, que também se deslocou ao concelho para inaugurar o caminho dos Três Pauzinhos na Mata Nacional das Dunas Litorais.

O presidente da autarquia vila-realense, o social democrata Luís Gomes, mostrou-se indignado com a ausência de membros do executivo de António Costa na cerimónia que decorreu em Monte Gordo.

“Este ministro do Ambiente nem cá esteve. Isto é um escândalo inaceitável. Convidámos o ministro do Ambiente e até o primeiro-ministro, mas disseram que não podiam estar presentes. Se calhar, esta vez, alguém proibiu os membros do Governo de virem cá. Espero que o ministro do Ambiente não vá atrás do calendário das eleições autárquicas. Se for, azar o dele”, afirmou o autarca após ter sido questionado pelo Jornal do Algarve acerca da referida ausência.

O autarca falou ainda sobre a questão da obra ainda não ter o visto do Tribunal de Contas e também sobre o financiamento da mesma. Veja a reportagem completa na edição impressa do Jornal do Algarve, que está nas bancas a partir desta quinta-feira.

PUB
Tamanho da Fonte
Contraste