PCP critica falta de reforço médico durante o verão no Algarve

O PCP do Algarve está contra a falta de reforço de médicos durante o verão nos hospitais do Algarve, que vão ultrapassar a questão, apelando aos médicos para evitarem férias em agosto e setembro.

Em comunicado, a direção da organização regional do Algarve do PCP defendeu que “a decisão é de uma preocupante irracionalidade”.

Os comunistas sustentam a sua posição, lembrando os milhares de pessoas a residir no Algarve sem médico de família, um problema com tendência a agravar no verão tendo em conta que “a população quase triplica”, criando “constrangimentos enormes nos serviços de urgência”.

Situações que, segundo os comunistas, são “excecionais” para justificar o reforço de médicos.

Face à aposta no turismo nesta região, o PCP questiona ainda se “os deficientes serviços de saúde serão um bom cartão-de-visita e se serão convidativos para alguém regressar ao Algarve”.

Assim, o PCP incita a população a residir no Algarve durante o verão a manifestar-se nos livros de reclamações.

Este ano no Hospital Central de Faro (HCF) vai funcionar apenas com os médicos da casa, à semelhança de 2009, ano em que deixou de ser acionado o “Plano de Apoio Médico de verão no Algarve” para fazer o reforço de equipas no verão, disse à agência Lusa a diretora clínica do hospital, Helena Gomes.

As orientações que os profissionais receberam para dar resposta às solicitações do verão foram no sentido de “evitar tirar férias nos períodos críticos de agosto e setembro”, adiantou a médica, referindo que no HCF há 250 médicos.

Outra indicação interna do HCF dada aos médicos e outros profissionais da área da saúde foi a de que cada serviço tem de garantir que um terço das pessoas esteja efetivamente a trabalhar ao longo do verão.

“Vamos trabalhar com os nossos médicos, sendo que os serviços se reorganizaram nos planos de férias de forma a não criar situações de insuficiência de resposta ou falta de recursos para a resposta”, argumentou, adiantando que também vão ser pedidas mais horas extraordinárias durante o período de verão.

Também no Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio (CHBA) – que inclui as unidades hospitalares de Portimão e Lagos – não vai haver reforço de profissionais de saúde para os meses do verão.

Em entrevista à Lusa, o presidente do Conselho de Administração, Luís Batalau, admitiu que há falta de médicos em várias especialidades, mas disse que foi feita uma “organização criteriosa dos serviços nas férias dos técnicos de saúde, para que esteja garantido o atendimento aos utentes, sem penalização da constituição das equipas”.

O “Plano de Verão 2010” para o Algarve, que entra em funcionamento na quinta feira, também não prevê reforço de pessoal médico nos Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES), como era tradição.

O plano de verão oferece um reforço no número de horas de trabalho e uma melhor organização para que estejam mais profissionais a trabalhar nos períodos críticos.

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

Lusa/JA

Advertisements
Tamanho da Fonte
Contraste