Construção de casas volta a aumentar na região pela primeira vez em 12 anos… mas pouco

A procura por casa está em alta no Algarve e o mercado começa só agora a responder a isso, com mais construções novas

Os últimos anos têm sido ótimos para o negócio da venda de casas e cada vez mais dramáticos para quem quer comprar uma habitação própria no Algarve. Tudo porque, atualmente, a procura supera largamente a oferta e o resultado está à vista: a sobrevalorização dos preços. A boa notícia é que o número de edifícios concluídos voltou a aumentar no Algarve – o que não acontecia há 12 anos – e isso pode indiciar uma viragem no setor. Ainda assim, hoje constrói-se menos 84% de imóveis do que em 2003

 

No final de 2017, existiam na região algarvia cerca de 201 mil edifícios de habitação familiar clássica e 383 mil alojamentos familiares clássicos. Isto significa que, segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), apenas foram concluídos 2.539 edifícios e 6.123 alojamentos desde o ano 2010 na região.

Para compreender a queda da construção civil nos últimos anos, basta dizer que, antes de 2009, esse número era atingido todos os anos sem exceção. Em 2008, por exemplo, foram concluídos 2.560 edifícios na região, mais do que aconteceu no total dos últimos oito anos.

Em 2017, o número de imóveis concluídos foi de apenas 584. Ainda assim, é uma inversão na tendência de quebra registada no setor, que desde o ano de 2005 vinha a acumular resultados negativos na região algarvia.

Ou seja, pela primeira vez em doze anos, foi registado um acréscimo de obras concluídas para habitação familiar (de 23% face a 2016), sendo que o ano passado também foi o melhor ano desde 2013, quando foram concluídos 659 edifícios no Algarve.

Por outro lado, 2014, 2015 e 2016 foram anos em que o setor bateu todos os recordes negativos, com menos de quinhentos edifícios concluídos anualmente.

Refira-se, ainda, que a maioria dos imóveis que ficaram concluídos em 2017 são em maioria (cerca de 70%) edifícios residenciais, dos quais cerca de 80% relativos a construções novas.

O ano de 2018 pode ser, assim, um ano de viragem para o setor, até porque o mercado imobiliário está ao rubro no Algarve, impulsionado pelo sucesso do turismo.

Mais construções novas no primeiro semestre de 2018

Os dados relativos ao primeiro semestre deste ano revelam que a prática de comprar edifícios para recuperar parece estar a perder terreno para as novas construções no Algarve.

Nos primeiros seis meses de 2018, também se viram mais obras terminadas na região, com 334 edifícios concluídos, contra os 259 concluídos no período homólogo. A maioria corresponde a construções novas, que aumentaram cerca de 40% face ao primeiro trimestre de 2017…

(NOTÍCIA COMPLETA NA ÚLTIMA EDIÇÃO DO JORNAL DO ALGARVE – NAS BANCAS A PARTIR DE 27 DE SETEMBRO)

Nuno Couto|Jornal do Algarve

Advertisements
Advertisements
Tamanho da Fonte
Contraste