Portimão: Catarina Martins diz que voto no BE derruba muros do PS

Num comício em Portimão – onde o Bloco de Esquerda luta estas eleições para manter um deputado, desta vez com o eurodeputado José Gusmão como cabeça de lista – Catarina Martins focou-se no tema que decidiu escolher para este dia de campanha, que tinha começado com uma viagem de comboio: as alterações climáticas.

O comício tinha começado com música de Vicente Palma, filho de Jorge Palma, que cantou um tema do pai, uma espécie de mote depois das eleições legislativas de 30 de janeiro: “enquanto houver estrada para andar, a gente vai continuar…”.

“Bem sei que o PS decidiu fazer uma campanha a erguer muros contra a esquerda, mas depois da campanha vêm os votos e o voto no BE vai derrubar os muros e vai abrir as portas e sim, os compromissos serão para valer”, comprometeu-se.

De acordo com a líder do BE, “cada voto no Bloco de Esquerda vai desbloquear as soluções para o clima, como para o salário, para a pensão e para o trabalho, para a saúde e para a educação, para a habitação e para uma economia muito mais justa”.

“É o voto que decide, é o voto aqui no Algarve que decide, é o voto no Bloco de Esquerda, a esquerda que elege, o voto fora do bloco central que elege que vai fazer a diferença no dia seguinte”, afirmou.

A resposta à emergência climática, segundo Catarina Martins, “não é com paragonas nem é fazendo os mais pobres pagar por uma transição energética que nunca será feita se for baseada em atacar quem é mais pobre e quem trabalha”.

- Publicidade -

“A resposta à emergência climática far-se-á com transportes coletivos e passes gratuitos, com produção fotovoltaica descentralizada, financiando as habitações para que possam ser mais eficientes do ponto de vista energético”, elencou.

Para a líder bloquista, são precisas “medidas concretas para já porque a emergência climática é agora”.

“Nesta questão há fronteiras claras entre fazer ou deixar tudo na mesma e já vimos um pouco de tudo nesta campanha”, referiu.

Assim, nesta campanha já surgiu “uma direita que nega sequer que exista uma emergência climática” e até “ambientalistas dizer que podem fazer governo com a direita que nega que exista emergência climática”, numa crítica ao PAN ainda que sem nomear o partido.

“Vemos muitos que dizem que farão alguma coisa se os ‘lobbies’ tiverem de acordo que é uma boa maneira de dizer que nunca farão nada. Para o Bloco de Esquerda a emergência climática é um assunto sério que exige um compromisso claro e é também por isso que cá estamos”, garantiu.

Maiorias absolutas “são inferno para quem é desgovernado”

O bloquista José Gusmão defendeu que as maiorias absolutas “são um paraíso para quem se governa”, mas “um inferno para quem é desgovernado”, considerando que a escolha nestas eleições é entre as maiorias que se formam no parlamento.

O eurodeputado do Bloco de Esquerda (BE) assume nestas eleições legislativas a responsabilidade de tentar segurar o mandato do partido pelo círculo eleitoral de Faro, sendo o cabeça de lista por este distrito que, em 2019, elegeu João Vasconcelos.

No comício que decorreu em Portimão, e precisamente depois do discurso de João Vasconcelos, José Gusmão apontou às maiorias absolutas, recordando aquelas que foram protagonizadas por Cavaco Silva, Pedro Passos Coelho e José Sócrates.

“Estabilidade quer dizer muitas coisas diferentes conforme o ponto de vista onde nos situamos. A estabilidade das maiorias absolutas desregulou o mercado de trabalho, cortou pensões, privatizou quase tudo o que havia para privatizar muito antes de haver Iniciativa Liberal, fragilizou serviços públicos e colocou o Orçamento do Estado cada vez mais a financiar os privados”, elencou.

Para o candidato a deputado, “a estabilidade das maiorias absolutas foi também a estabilidade dos interesses económicos”.

“As maiorias absolutas são um paraíso para quem governa, são um paraíso para quem se governa e são um inferno para quem é desgovernado, afirmou.

Gusmão continuou ao ataque ao líder do PS e primeiro-ministro, António Costa, considerando que a escolha destas eleições não é, como diz o socialista, “entre António Costa e Rui Rio”.

“Não é assim que funciona a nossa democracia e António Costa sabe-o porque se fosse assim, em 2015, teríamos ficado com Pedro Passos Coelho como primeiro-ministro. As regras da democracia não mudam conforme as conveniências de nenhum partido, de nenhum líder partidário”, atirou.

A escolha dos eleitores no dia 30, segundo o eurodeputado, “também não é entre uma maioria absoluta ou o pântano”. 

“A escolha é entre as maiorias que se formam na Assembleia da República”, frisou.

Segundo José Gusmão, “as pessoas sabem que o Bloco conta para uma maioria de esquerda”, que será uma maioria “contra a direita”.

“[O BE] é a esquerda que conta para não permitir que voltemos aos tempos em que PS governava de uma forma muito diferente do que foi obrigado no tempo da geringonça”, assegurou.

Deixe um comentário

- Publicidade-spot_img

+ Populares

- Publicidade -festa-da-espiga

Leia Também

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Tem uma Dica?

Contamos consigo para investigar e noticiar

Tamanho da Fonte
Contraste