Algarve terá um passe intermodal único

O memorando inclui a AMAL, como Autoridade de Transportes Regional, a CP, que tem a exploração da ferrovia, e depois as outras sete entidades municipais de transporte de Albufeira, Faro, Lagos, Loulé, Olhão, Portimão e Tavira

As autoridades de transporte regional e municipais algarvias e cinco empresas de transporte público da região assinaram esta segunda-feira um memorando de entendimento para trabalhar na criação de um passe intermodal único, disse o presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve.

A expectativa é que o passe intermodal único “seja um realidade no primeiro semestre do próximo ano”, sendo que o Algarve será a terceira região do país, depois de Lisboa e Porto, a trabalhar para criar um passe único para todos os operadores de transporte público regionais, disse António Pina.

O presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) falava à margem da assinatura do documento, no âmbito do seminário “Os desafios da mobilidade”, hoje realizado na Escola Superior de Hotelaria e Turismo, em Faro.

Segundo aquele responsável, o objetivo “é uniformizar a compra de um passe” e, para isso, as entidades que subscrevem o memorando comprometem-se “a trabalhar e a disponibilizar informação” para que haja “apenas um passe para os vários transportes públicos que operam na região”.

O memorando inclui a AMAL, como Autoridade de Transportes Regional, a CP, que tem a exploração da ferrovia, e depois as outras sete entidades municipais de transporte de Albufeira, Faro, Lagos, Loulé, Olhão, Portimão e Tavira.

Além destas entidades, participaram também na assinatura do memorando as empresas de transporte rodoviário Vizur, EVA Transportes, PXM – Transportes Rodoviários Urbanos de Faro, Translagos e Sandbus.

- Publicidade -

A mesma fonte considerou que este memorando irá “mobilizar esforços para a concertação entre os diferentes serviços de transporte público” e manifestou o desejo de que a AMAL, no futuro, “passe também a ser também autoridade de transportes ferroviário”, de modo a poder definir formas de interligação com o transporte rodoviário.

“O transporte público hoje está cada vez mais na agenda de cada família. Se até há um tempo, a questão do transporte público era encarada do ponto de vista das ações climáticas e da redução da poluição pelo [menor] uso individual dos carros de cada um, agora tem uma outra dimensão”, notou.

Segundo o também presidente da Câmara de Olhão, o atual preço dos combustíveis “leva a que as famílias percebam que o transporte coletivo é talvez a única forma de desonerar o orçamento familiar no que diz respeito à mobilidade”.

Esta nova realidade coloca, segundo António Pina, a “mobilidade nas prioridades da gestão autárquica e da gestão governamental”.

Frisando que ainda é cedo para falar num custo final para este passe intermodal, que começará a ser definido quando o trabalho realizado por todos os intervenientes evoluir, António Pina considerou que “a união dos diferentes módulos é a única que pode trazer alguma eficiência ao sistema”.

“Todos [os operadores] prestam serviço público e aquilo que se pretende é ganhar eficiência nesse serviço público e eficácia”, afirmou, acrescentando que “o passageiro é o mesmo, o utilizador é o mesmo” e é preciso “facilitar a sua vida, disponibilizando informação fidedigna, fazendo as ligações mais eficazes possíveis e com a comodidade de o mesmo passe servir para tudo”.

- Publicidade-spot_img

Deixe um comentário

- Publicidade-spot_imgspot_img

+ Populares

- Publicidade -spot_img
- Publicidade -santos-populares-portimao

Leia Também

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Tem uma Dica?

Contamos consigo para investigar e noticiar

Tamanho da Fonte
Contraste