Audiência de Pistorius retomada após “ameaça”

.
.

Sessão no tribunal de Pretória foi subitamente interrompida pelo juiz devido a uma “ameaça exterior”, mas tudo não passou de falso alarme.

A terceira sessão da audiência preliminar para decidir a fiança de Oscar Pistorius foi subitamente interrompida, ontem, a meio dos trabalhos, devido a uma “ameaça exterior”, mas tudo não passou de um falso alarme.

O juiz Desmond Nair não especificou de que tipo de ameaça se tratava, mas a sessão foi interrompida repentinamente, após o aviso de um segurança.

Contudo, a interrupção não durou mais de 10 minutos, já que se tratou de um falso alarme, de acordo com o juiz.

Investigador principal substituído

A audiência preliminar do pedido de libertação sob fiança de Oscar Pistorius entrou no terceiro dia, no tribunal da comarca de Pretória, entre polémica sobre o investigador principal do caso, Hilton Botha.

A polícia anunciou ontem que Botha enfrenta sete acusações de tentativa de homicídio e condução sob a influência de álcool, depois de ter disparado contra um táxi que alegadamente tentou empurrar a sua viatura para fora da estrada, quando ele e um colega perseguiam um suspeito de homicídio, em 2009.

Botha era o investigador principal no caso e atacou fortemente Pistorius, quarta-feira, no tribunal, mas o seu testemunho foi depois descredibilizado pela defesa. As autoridades sul-africanas anunciaram entretanto que Botha foi substituído por outro investigador, Vinesh Moonoo.

Hoje, Barry Roux, o advogado de defesa, apresentou os seus argumentos para que o juiz liberte Pistorius, durante cerca de três horas. Seguiu-se a acusação, através de Gerrie Nel, que pediu que o acusado permaneça preso, por ser um claro risco de fuga, justificou.

Contudo, o caso da acusação não foi apresentado na totalidade, uma vez que a audiência já se prolongava há várias horas. O restante caso de Gerrie Nel será apresentado esta sexta-feira.

Defesa vs acusação

A defesa pediu que Pistorius seja libertado sob caução, uma vez que a sua notoriedade o impede de fugir sem ser reconhecido, explicou. Barry Roux disse que as provas sustentavam claramente a versão dos acontecimentos de Pistorius, isto é, que o atleta pensava que estava a proteger-se perante a entrada de um intruso na sua casa. Roux também contestou o depoimento do investigador Hilton Botha, que acusou que distorcer as provas para ajudar o caso da acusação.

Assumindo que a versão de Pistorius pudesse ser verdadeira, Gerrie Nel disse que não percebia como é que alguém, habituado a dormir com a namorada, ouvia um barulho em casa e pensava logo que era um intruso, sem confirmar onde estava a namorada.

O advogado da acusação também acrescentou que não percebia como Pistorius tinha ido buscar a arma ao quarto, na mesa ao lado da cama, sem ver que Reeva Steekamp lá estava.

Mariana Cabral (Rede Expresso)

2Comentários

Carregue aqui para comentar

pub

 

 

 

pub

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Tamanho da Fonte
Contraste