Greve na Sata deverá afetar 17 mil passageiros

Os cerca de 40 tripulantes de cabine da Sata-Air Açores iniciaram hoje uma greve de quarto dias que deverá afetar 17 000 passageiros com viagens programadas entre as ilhas do arquipélago, segundo a companhia.

Dados avançados pela transportadora que detém o exclusivo das ligações aéreas no arquipélago açoriano, a greve obrigou ao cancelamento antecipado de 220 voos programados e ao agendamento de um número restrito de ligações estabelecidas como serviços mínimos.

Os serviços mínimos definidos pelo tribunal arbitral para a paralisação, convocada pelo Sindicato Nacional de Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), contemplam a realização de um voo diário para as nove ilhas, com exceção do Corvo, no sábado e domingo.

O porta-voz da SATÃ, José Gamboa, indicou à agência Lusa que terão prioridade nesses voos os passageiros em situação especial, nomeadamente devido a questões de saúde, e os que têm ligações para o estrangeiro ou para o Continente.

O vice-presidente do SNPVAC Henrique Martins assegurou, por seu lado, que os tripulantes de cabine da Sata-Air Açores decidiram acatar os serviços mínimos estabelecidos por forma a minimizar “os transtornos da greve junto da população”.

O dirigente sindical sublinhou que a paralisação visa obrigar a transportadora a cumprir o que está previsto no acordo de empresa em matéria de evolução na carreira profissional.

Embora alegando trata-se de “situações temporárias”, a Sata-Air Açores “tem vindo a substituir chefes de cabine por assistentes/comissários de bordo, em vez de criar novos postos de chefia”, referiu Henrique Martins.

O dirigente do SNPVAC considerou que a opção da administração da companhia neste domínio tem a ver com escassez de tripulantes de cabine, admitindo que para garantir a sua operação regular, a Sata-Air Açores precisa de mais uma dezena de profissionais.

José Gamboa reafirmou “não haver qualquer violação do acordo de empresa”, adiando que a companhia se disponibilizou em sede de negociações para estabelecer regras definidoras da substituição temporária de chefes de cabine.

“Num contexto de racionalidade de gestão e de salvaguarda da competitividade” a Sata-Air Açores, para “fazer face a indisponibilidade temporárias”, tem de adotar “medidas temporárias, e acordo com a lei”, referiu.

API.

*** Ao abrigo do Acordo Ortográfico***

JA/Lusa

Advertisements

Adiconar comentário

Carregue aqui para comentar
Tamanho da Fonte
Contraste