ALGARVE

Incêndios: Governo aprova programa de reordenamento das serras de Monchique e Silves

Monchique foi assolado por grandes incêndios em 2003, 2004 e 2016. A tragédia dos incêndios no ano passado veio reavivar as memórias e os receios da população
[mobileonly] [/mobileonly]

O Governo aprovou hoje um programa para o planeamento e gestão da paisagem das serras de Monchique e de Silves, incluindo medidas para criar resistência a fogos, que mobiliza um total de 20,5 milhões de euros até 2039.

Na sequência da aprovação em Conselho de Ministros, o Ministério do Ambiente indicou, em comunicado, que o programa de Reordenamento e Gestão da Paisagem das Serras de Monchique e Silves (PRGPSMS), no Algarve, pretende agir na “reconversão da paisagem em territórios de elevada perigosidade de incêndio” e “define as diretrizes de planeamento e de gestão, as áreas e as ações prioritárias de intervenção”, além de um sistema de monitorização.

O programa identifica como áreas prioritárias o “Corredor Verde”, no município de Monchique, e a “Nova Serra”, no município de Silves, ambos no distrito de Faro e afetados por um incêndio de grandes dimensões em agosto de 2018.

Entre as ações prioritárias estão identificadas a valorização das linhas de água e dos mosaicos de gestão de combustível, a reabilitação do sistema de socalcos e a valorização de sobrantes de biomassa florestal.

Com a valorização das linhas de água, pretende-se a criação de galerias ripícolas associadas a linhas de água e a criação de pontos de abertura de incêndio, com a criação de mosaicos de parcelas de terrenos dedicados a usos agrícolas e silvopastoris no meio de manchas florestais, para que esta descontinuidade aumente a resiliência e facilite o combate a incêndios florestais.

Com o sistema de socalcos, pretende-se melhorar a conservação do solo e da água e contribuir para a produção agrícola local, “a manutenção de descontinuidades da paisagem e a promoção da identidade local e regional”, salientou o Ministério do Ambiente.

O material lenhoso proveniente de cortes, desbastes e desmatações deverá ser aproveitado para produção de energia ou integração no solo, “contribuindo para a proteção contra a erosão, para a produção de solo vivo e para o sequestro de carbono”, salientou.

O PRGPSMS tem como base orientações do Programa Nacional da Política de Ordenamento do Território (PNPOT) e terá um sistema de monitorização mantido pela Direção-Geral do Território, em articulação com o Instituto de Conservação da Natureza e Florestas.




WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Tamanho da Fonte
Contraste
%d bloggers like this: