Loulé: Utentes da Via do Infante protestam contra portagens

CUVI acusa PS, PSD e CDS de serem os principais responsáveis “pelo atentado económico e social que, diariamente, é cometido na Via do Infante contra a economia e as populações do Algarve”

A Comissão de Utentes da Via do Infante (CUVI) agendou para este sábado, em Loulé, uma ação de protesto que assinala o sétimo aniversário da introdução das portagens naquela ex-Scut (sem custos para o utilizador).

A ação vai decorrer, a partir das 11h00, em frente à Via Livre (loja que faz as cobranças das portagens), localizada na Rua Marçal Aboim, Olivais de Santo António (junto ao McDonald’s), na cidade deLoulé. A CUVI apela a todos os participantes para envergarem coletesamarelos.

A discussão na especialidade do Orçamento de Estado para 2019 trouxe algumas esperanças para a abolição das portagens, mas, mais uma vez, as propostas apresentadas pelo Bloco de Esquerda e pelo PCP acabaram por esbarrar nos votos contra do PS e nas abstenções dePSD e CDS.

“Estes três partidos continuam a ser os grandes responsáveis pelo atentado económico e social que diariamente é cometido na Via do Infantecontra a economia e as populações do Algarve”, considera a CUVI, em comunicado.

Porém, aquela comissão frisa que “o PS continua a assumir-se como o principal carrasco das legítimas aspirações dos algarvios que rejeitam terminantemente a continuação desse erro crasso que foi a imposição de portagens pelo governo anterior”, recorde-se, a 8 de dezembro de 2011.

Neste sentido, os utentes da Via do Infante (A22) recordam que o atual primeiro-ministro, António Costa, “reconheceu que a EN125 era um ‘cemitério’” e “prometeu levantar as portagens na Via doInfante” antes das eleições legislativas de 2015.

Redução é “injusta” e “insuficiente”

Os utentes consideram que a proposta do Governo para avançar com “uma pequena redução das portagens no início de 2019”, apenas para osveículos de mercadorias, “é injusta e insuficiente, pois não vai abranger a maioria dos veículos” e lamentam que PS, PSD e CDS tenham “desperdiçado mais uma oportunidade para se redimirem dosgraves erros que continuam a impor ao Algarve”.

“Fica, assim, muito claro, que os discursos piedosos proferidos por PS, PSD e CDS não passam de pura hipocrisia e de puros atos de cinismo que apenas têm como objetivo enganar o povo do Algarve. Da mesma forma, António Costa deixou cair a máscara, mostrando que as suas promessas para um melhor desenvolvimento desta região não são para cumprir, usando-as quando lhe dá jeito”, referem os utentes da Viado Infante.

Mais
acidentes e mortes na EN 125

Paraa CUVI, o número de acidentes com mortes e feridos graves, principalmente na EN125, e que continua a aumentar, também está diretamente relacionado com a introduçãode portagens, já que estas contribuíram para o aumento do tráfego naquela estrada nacional.

“Os acidentes na região já devem andar perto dos 10.000, pelo terceiroano consecutivo. Desde 1 de janeiro deste ano e até 21 de novembrode 2018, ocorreram no Algarve 9.676 acidentes de viação, com 33 vítimas mortais e 180 feridos graves. São mais seis mortos e maisseis feridos graves do que no mesmo período do ano anterior e mais cinco mortos e mais 32 feridos graves do que em relação em 2017. Nos últimos dias ocorreram outros graves acidentes com diversasvítimas mortais. Uma tragédia muito grande e sempre a crescer”, lamenta.

Por outro lado, a PPP (parceria público-privada) da Via do Infante “é o maior crime social, económico e financeiro que se pratica naregião”, afirmam os utentes, lembrando que “o Estado está aencher os bolsos da concessionária privada com quase 40 milhões deeuros a cada ano que passa, para além de outros 30 milhões que estarecebe das taxas de portagens”. Por isso, consideram que 70 milhões de euros por ano “é um descalabro inaceitável para o erário público” e acusam o atual Governo (PS) e o anterior (PSD/CDS) de “falta de coragem” para “pôr em causa poderosos e obscuros interesses que gravitam em torno da PPP” da Via do Infante.

Advertisements
Tamanho da Fonte
Contraste