Ministro garante que Algarve terá mais segurança este verão

.

Ministro da Administração Interna garante mais presença e proximidade da GNR e PSP neste verão

.

O ministro da Administração interna, Miguel Macedo, assegurou esta terça-feira que o Algarve pode contar no verão com “mais visibilidade, mais presença e mais proximidade” da GNR e PSP, de forma a aumentar a segurança e atenuar “o sentimento subjetivo de insegurança”.

Falando aos jornalistas à margem de uma reunião de alto nível do Comité Interministerial da EUROGENDFOR, forças de segurança de natureza militar, Miguel Macedo assegurou que a visibilidade das forças de segurança será maior este ano do que no verão de 2011.

“Vamos ter redobrado cuidado e redobrado empenhamento, quer da PSP quer da GNR em relação ao ano passado, embora tenha sido um bom ano”, disse, sem quantificar o reforço previsto.

Sublinhou o “trabalho antecipado” das forças de segurança sob a sua tutela – PSP e GNR -, que passou pela auscultação das forças vivas locais, empresários e autarquias.

Invocou dados provisórios do seu ministério segundo os quais no primeiro trimestre de 2012 a criminalidade participada foi inferior à registada nos últimos três meses de 2011.

Maior “acalmia” na região

Apesar do que classificou como “acalmia” recente verificada no Algarve, reconheceu a existência de um “sentimento subjetivo de insegurança” por parte de muitos cidadãos, que disse basear-se na visibilidade pública de atos criminosos de maior violência.

Apesar desses atos, que disse corresponderem a um fenómeno de aumento de casos violência extrema que se vem registando nos últimos anos, lembrou que Portugal é o terceiro país da OCDE com criminalidade mais baixa.

Miguel Macedo assistiu, na Pousada de Estói, concelho de Faro, a uma reunião de alto nível do Comité Interministerial da EUROGENDFOR, forças de segurança de natureza militar, que decorreu sob presidência portuguesa.

A reunião junta representantes de ministérios do Interior de seis dos nove países daquele grupo europeu de gendarmes e visa desenvolver ações no quadro da segurança europeia e, entre outros assuntos, a capacitação para ações que decorrem no Afeganistão.

Oposição a entraves à liberdade de circulação

Segundo o ministro Miguel Macedo, a discussão sobre a eventual mudança de regras no quadro do acordo de Schengen não faz parte da agenda de trabalhos, que ainda está a ser debatida num quadro europeu de mais alto nível.

O ministro recordou a posição portuguesa de oposição a qualquer mudança que signifique a restrição à liberdade de circulação de cidadãos europeus, “sem prejuízo de avaliação de problemas específicos” de alguns países.

“É uma matéria muito delicada em relação à qual Portugal diz que o que é importante é salvaguardar este adquirido com os cidadãos de toda a Europa de poderem circular livremente no espaço europeu”, disse.

(Rede Expresso)